Bela e Santa Catarina

Bela e Santa Catarina

GOVERNADOR de SC, porque não cumpre a lei?

È uma vergonha para SC os professores precisarem fazer greve para pedir ao governador do estado e o Secretário da Educação cumprirem a lei e pagar o piso mínimo nacional de salários conforme a lei 11.738/2008. Esta lei está sendo desrespeitada pois tinha um tempo para os estados e municípios se adequarem. O governo anterior de SC e que ajudou a eleger o atual, alegou inconstitucionalidade na lei.
O governo apostou todas as fichas que iria ganhar a questão e que continuaria pagando um salário vergonhoso e miserável aos educadores de SC.
Na lei que instituiu o piso nacional de salários também prevê ajuda aos municípios que comprovarem faltas de recursos, o que não é o caso de SC. O nosso estado é rico em produção e em arrecadação.
Então o que "falta"? Será que não falta vergonha, seriedade, vontade política? Sabemos que muitos estados brasileiro muito mais pobre e com menos arrecadação, estão cumprindo a lei e pagando o piso nacional de salários.
Pelo que se observa valorizar a educação não é intenção deste governo. Porque não melhorar a qualidade do ensino na escola pública?
Então as vezes fico me perguntando: Será que o secretário atual da educação foi clonado daquele que atuou no governo anterior?
Se fossem os professores que não cumprissem a lei com certeza seriam punidos. Qual a punição aos governantes que não cumprem a lei???
Lembrem que os professores estão querendo que o governo cumpra a lei e um bom plano de carreira aos profissionais da educação.
A nova tabela que o Secretário da Educação e representantes do governo apresentaram no dia 23 de maio de 2011 acaba com o estímulo dos educadores buscarem conhecimentos e se atualizarem com Ensino Superior, Pós-graduação, Mestrado e ou Doutorado.
Esperamos do governo o mínimo de bom senso e que apresente uma proposta um pouco mais digna e menos vergonhosa ao sindicato da categoria. Os professores estão preocupados com o ano letivo, mas e o governo...?
Analisando friamente,você acha que o governo vai dialogar, negociar? Vai cumprir a lei? Onde o governo se encaixa: Como um governo democrático ou ditador?

Entrevista

video

MENSAGEM DE FINAL DE ANO

Mensagem de final de ano

Professores e professoras apaixonadas acordam cedo e dormem tarde, movidos pela idéia fixa de que podem mover o mundo.
Apaixonados, esquecem a hora do almoço e do jantar: estão preocupados com as múltiplas fomes que, de múltiplas formas, debilitam as inteligências.
As professoras apaixonadas descobriram que há homens no magistério igualmente apaixonados pela arte de ensinar, que é a arte de dar contexto a todos os textos.
Não há pretextos que justifiquem, para os professores apaixonados, um grau a menos de paixão, e não vai nisso nem um pouco de romantismo barato. Apaixonar-se sai caro!
Os professores apaixonados, com ou sem carro, buzinam o silêncio comodista, dão carona para os alunos que moram mais longe do conhecimento, saem cantando o pneu da alegria.
Se estão apaixonados, e estão, fazem da sala de aula um espaço de cânticos, de ênfases, de sínteses que demonstram, pela via do contraste, o absurdo que é viver sem paixão, ensinar sem paixão.
Dá pena, dá compaixão ver o professor desapaixonado, sonhando acordado com a aposentadoria, contando nos dedos os dias que faltam para as suas férias, catando no calendário os próximos feriados.
Os professores apaixonados muito bem sabem das dificuldades, do desrespeito, das injustiças, até mesmo dos horrores que há na profissão. Mas o professor apaixonado não deixa de professar, e seu protesto é continuar amando apaixonadamente.
Continuar amando é não perder a fé, palavra pequena que não se dilui no café ralo, não foge pelo ralo, não se apaga como um traço de giz no quadro.
Ter fé impede que o medo esmague o amor, que as alienações antigas e novas substituam a lúcida esperança.
Dar aula não é contar piada, mas quem dá aula sem humor não está com nada, ensinar é uma forma de oração. Não essa oração chacoalhar de palavras sem sentido, com voz melosa ou ríspida. Mera oração subordinada, e mais nada.
Os professores apaixonados querem tudo. Querem multiplicar o tempo, somar esforços, dividir os problemas para solucioná-los. Querem analisar a química da realidade. Querem traçar o mapa de inusitados tesouros.
Os olhos dos professores apaixonados brilham quando, no meio de uma explicação, percebem o sorriso do aluno que entendeu algo que ele mesmo, professor, não esperava explicar.
A paixão é inexplicável, bem sei. Mas é também indisfarçável.

Mensagem de final de ano - Presentation Transcript
PROFESSORES APAIXONADOS
Autor do Texto: Gabriel Perissé

Feliz Natal!

A importância do blog em sala de aula

A IMPORTÂNCIA DO BLOG EM SALA DE AULA
Blog, abreviatura do termo em inglês weblogs, tem como características a facilidade em que pode ser criado, editado e publicado. Em geral, expressa relatos pessoais, idéias e sentimentos do autor, sobre os mais diversos assuntos e áreas. O uso para fins pedagógicos, no entanto, começou a ganhar destaque. O uso pedagógico do blog evoluiu de algumas iniciativas para um crescimento constante e significativo, nestes últimos anos.
A aproximação de alunos e professores são apontadas como as principais contribuições que os blogs podem trazer para o processo de ensino e aprendizagem. São aplicativos fáceis de usar que promovem o exercício da expressão criadora, do diálogo entre textos, da colaboração. Os Blogs possuem historicidade, preservam a construção e não apenas o produto (arquivos); são publicações dinâmicas que favorecem a formação de redes.
Os blogs permitem o desenvolvimento de tarefas em equipe. O trabalho pedagógico com a ferramenta privilegia interatividade, autoria, autonomia, registro e protagonismo, é espaço de reflexão coletiva sobre o uso pedagógico da Internet, também entre os indicados ao Blopes.
Um rápido passeio pela web mostra que os números, as experiências com blogs educacionais estão crescendo, a discussão é intensa .Os visitantes dos blogs acompanham projetos realizados em escolas públicas que usam tecnologias.

Tecnologia!

Desde os tempos primitivos se constatava a presença das técnicas, como a da lasca das pedras, de artefatos de pedras, criação do arco e flecha. [1]Analisando a história, e refletindo sobre o poder das tecnologias, observa-se que surgido um primeiro instrumento, segue-se um processo de melhoria, de aperfeiçoamento para atender as necessidades do ser humano.
Tem-se um processo de mudanças, irreversíveis que só tendem a aumentar na medida em que se avança científica e tecnologicamente. O que devemos observar é relação da sociedade, do homem para aprender, para viver e conviver nesse novo tempo e como deve ser a sua formação enquanto indivíduo ativo nesse processo.
Segundo Grinspun, (2001) a importância da educação: No processo educacional, o que se pretende alcançar é que o indivíduo seja capaz de obter conhecimentos, construí-los através de uma atitude reflexiva e questionadora sobre os mesmos. Junto a essas questões relacionadas ao conhecimento, o processo educacional trabalha a dimensão dos sentimentos, da afetividade e da criatividade. O indivíduo não só aprende com a educação, como também se posiciona frente aos fatos e à realidade que existe dentro e fora dele. Essa atitude e esse pensamento críticos constituem o que se pode denominar de uma atitude fisiológica em relação a sua própria identidade e às situações que o circundam. Em termos de uma educação para viver a era tecnológica, há que se pensar sobre valores subjacentes ai indivíduo, que ausentar, nem desconhecer os perigos, desafios e desconfortos que a própria tecnologia pode acarretar.

Análise com base na obra Educação Tecnológica – desafios e perspectivas (Grinspun, 2001)

Santa Catarina

ORIGEM DO NOME DO NOSSO ESTADO



Santa Catarina



Muitos navegantes visitaram a nossa ilha desde a época do descobrimento e em 1514, deram o nome de Ilha dos Patos.
Por muitos anos: historiadores, pesquisadores discutiram as verdadeiras razões do nome de Santa Catarina que inicialmente foi dado a ilha que hoje é Florianópolis, a capital do estado.
A primeira denominação oficial trata-se de Santa Catarina de Alexandria virgem e mártir festejado pela Igreja Católica no dia 25 de novembro.
Os portugueses tinham o costume de dar o nome as terras descobertas conforme o calendário religioso. Levando em consideração a essa versão, eles chegaram a ilha no dia 25 de novembro e deram o nome do santo do dia ”Santa Catarina.
A denominação “Santa Catarina”,existe dúvidas quanto a sua origem, tendo duas versões:
1ª) Sebastião Caboto que teria consagrado a ilha, quando por lá passou entre 1526 e 1527. Ele quis prestar homenagem a sua esposa Catarina Medrano com quem se casara em segundas núpcias. Atribuiu o nome de batismo de sua esposa á ilha quando publicou mapas de sua viagem.
2º) Lá pelo ano 1675 estabeleceu-se na ilha de Santa Catarina o paulista Francisco Dias Velho, que ergueu uma igreja em louvor de Nossa Senhora do Desterro. A ele se atribui a mudança do nome da Ilha dos Patos para Ilha de Santa Catarina, em invocação a Santa Catarina de Alexandria, ao que consta, uma filha dele tinha o nome. É por isso que o estado de Santa Catarina tem esse nome, já que é um empréstimo ao da ilha.